Data Migration Assistant – Assessment

Migração de um database é uma rotina comum na vida de um DBA e essa atividade pode ser para uma versão mais atual do SQL Server ou para o Azure SQL Database. A Microsoft sempre tentou auxiliar essas migrações com ferramentas como por exemplo o Upgrade Advisor. Por muito tempo utilizei essa ferramenta para as migrações que realizei pois ela gerava um relatório com todos os possíveis “problemas” que poderia ter.

Recentemente precisei migrar um database on-premise para cloud e ao verificar a versão mais atual do Upgrade Advisor descobri que a Microsoft decidiu descontinuar essa ferramenta. Você ainda pode baixar a ferramenta atrás desse link porem eu aconselho a utilizar a nova ferramenta o Data Migration Assistant (DMA). Essa ferramenta trouxe novas capacidades e facilidades onde uma delas é centralizar na mesma ferramenta as opções de realizar a migração ou apenas realizar a validação do database para uma futura migração.

É sobre essa nova ferramenta DMA que irei falar um pouco hoje.

Após fazer o download através do link acima e instalar a ferramenta, você pode notar na tela iniciar uma facilidade que é a criação de projetos. Estou utilizando a versao 3.3

Nesse momento existem dois tipos de projetos:

  • Assessment
  • Migration

O Assessment é a funcionalidade que iremos utilizar para verificar os possíveis problemas e incompatibilidades que temos ao migrar um database.

Depois de dar um nome ao seu projeto você deve escolher o tipo de servidor de origem que no meu caso só tenho a opção de SQL Server.

Nesse momento você deve selecionar qual o seu objetivo final, ou seja, qual o tipo de servidor que o seu database será hospedado. No meu caso 3 opções são apresentadas: Azure SQL Database, SQL Server e SQL Server on Azure Virtual Machines.

Como tenho trabalho com Azure SQL Databases vou utilizar essa opção para demonstração.

Agora que você escolheu as opções e criou o projeto uma nova janela irá apresentar quais os tipos de relatórios você gostaria de gerar.

Nesse momento é possível optar por gerar relatórios separados, o que pode ser útil quando existe uma lista grande de itens que estão sendo tratados aos poucos e você pode medir quanto esforço foi realizado ou falta a ser feito.

  • Check database compatilibity – verificará problemas que podem ser bloqueadores para a migração assim como features descontinuadas.
  • Check feature parity – verificará por features que não são suportadas ou são parcialmente suportadas.

Um terceiro tipo de relatório está por vim e parece ser bem interessante uma vez que ele informará quais são as possíveis features que podem ser utilizadas no seu database uma vez que você realizar a migração e isso é um benefício que pode ser traduzido em performance, tamanho, segurança entre outros (essa é a minha opinião sobre o que esperar desse relatório)

Próximo passo é escolher a instancia SQL Server e o(s) database(s) que fará parte do projeto de migração.

 

Uma lista com os databases selecionados será apresentada e você pode adicionar ou remover servidores de origem dentro do seu projeto, ou seja, pense que uma aplicação tem mais de um database em mais de uma instancia e com isso é possível criar um projeto com múltiplas instancias SQL Server e múltiplos databases.

Após iniciar o Assessment e a ferramenta terminar de analisar, você terá seus relatórios prontos e sua análise desses é extremamente fácil uma vez que está divido em seções.

Relatório: SQL Server features parity

  1. Recomendações e informações sobre features
  2. Detalhes sobre uma das recomendações selecionadas.
  3. Nível de aplicabilidade da recomendação. (Não se aplica a todas as recomendações)

Relatório: Compatility issues

  1. Issue (problema) agrupado por categorias
  2. Detalhes sobre o issue
  3. Objetos dentro database que são impactados pelo issue.

Dessa forma fica fácil visualizar o que devemos fazer para corrigir cada um dos issues antes de migrar o database.

No campo superior direito existem duas opções: Restart Assessment e Delete Assessment. Uma forma rápida para regerar o relatório ou excluir!

Para concluir é possível exportar o relatório para dois formatos: CSV e JSON. Particularmente o formato CSV não me agradou e o JSON é a nova onda do momento de transferia de dados de forma leve!

Maníaco, entusiasta, fascinado, fanático por SQL Server e nas horas vagas um DBA que adora o que faz! Também possui certificações como: MCT, MCSE - Data Management and Analystics, MCSE - Data Plataform e MCSA - SQL Server 2016/2014/2012

Responda